CRITICAS DO LUCAS CARDOZO

VISITEM O MEU BLOG DE CRÍTICAS DE FILMES E CIA. VISITE: http://criticasdolucascardozo.blogspot.com/ .

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Entrevista com Gustavo Mastorillo

Gustavo Card Captor foi uma websérie que, apesar de não ser tão popular, deu o que falar, pelo menos entre os fãs de anime. Embora muitos discordem, é sim uma homenagem brasileira ao grande anime Card Captor Sakura, que fez parte da infância de muitas pessoas. Acompanho a série a algum tempo e acho boa a ideia. Entre altos e baixos, devemos valorizar a iniciativa, isso é muito importante. Achei legal trazer uma entrevista com ele, o criador da série. Converso hoje com Gustavo Mastorillo, perguntando tudo o que os fãs sempre quiseram.

Mario Lee – Olá. Quando e como começou essa ideia de uma série baseada em Sakura Card Captors? Você é fã da obra?

Gustavo Mastorillo – Sou fã do anime desde a primeira vez que vi na tv globinho a 14 anos atrás. A ideia sempre existiu, mas nunca achei os meios de tornar isso possível,  até que em 2009 ( mesmo ano que conheci minha parceira Luisa “shii” folli -keroshii- ) eu vi um vídeo no youtube e descobri a “fórmula mágica” que tornou meu sonho possível, juntando minhas vontades e as da Shii também o GCC nasceu.

Mario Lee – Alguma outra obra o inspirou na criação da série?

Gustavo Mastorillo – Só um vídeo e o anime mesmo.

Mario Lee – Você teve alguém em especial ao criar a série? Inicialmente, a dedicou para alguém?

Gustavo Mastorillo – Não [risos]. É tudo para realizar meu sonho mesmo.

Mario Lee – Li que você mesmo fez algumas peças do figurino. Como foi essa experiência? Quem mais do elenco o ajudou?

Gustavo Mastorillo – Todos os objetos e figurinos eu e a Shii que fazemos, a Luisa Li me deu algumas dicas, mas não participou da confecção.

Mario Lee – Como foi a escolha dos personagens?

Gustavo Mastorillo – Escolhi apenas quem seria importante para a adaptação do texto, pois atores não brotam por ai [risos] e os que eu tenho já foram difíceis, dá pra notar que mudou algumas vezes no decorrer da historia.

Mario Lee – Quem escreveu as aberturas e encerramentos?

Gustavo Mastorillo –  Eu e a Shii.

Mario Lee – A cor símbolo da série é o azul, diferente do anime, que é rosa. Por que azul? Quais outras cores foram pensadas?

Gustavo Mastorillo – Azul é a cor que me resume, sou extremamente apaixonado por essa cor, tenho o habito de usar roupas apenas dessa cor [sorriso]. Então a cor da serie não poderia ser outra, nenhuma outra cor foi pensada, já que minha paixão á o azul.

Mario Lee – Você tem algum objetivo principal com a série?

Gustavo Mastorillo – Não, quero apenas ver ela pronta e poder ter o prazer de ver o meu sonho realizado, e ficar conhecido por isso também [sorriso].

Mario Lee – Sobre o roteiro: Foi difícil inserir as referências do anime na série?

Gustavo Mastorillo – Um pouco, já que eu faça essa parte toda sozinho, espremer uma história de 70 capítulos em 18 realmente tem sido difícil, muitas funções são minhas: escrever, adaptar, dirigir, atuar, supervisionar, editar e produzir efeitos. As vezes sinto que minha cabeça vai girar.

Mario Lee – Alguns efeitos especiais são retirados do anime, como os seres das cartas Clow. Por que?

Gustavo Mastorillo – Porque não teria uma forma melhor de fazer isso, eu nunca quis que pessoas se vestissem de cartas, e eu adoro interagir com os efeitos, torna a experiência desafiadora. Dirigir e atuar com coisas inexistentes realmente é um desafio.

Mario Lee – Alguns fãs reclamam da demora dos episódios. A série possui longos hiatos. O que você pode dizer para eles?

Gustavo Mastorillo – Cada ator tem sua vida particular e suas coisas a fazer, e fazem a série quando podem.

Mario Lee – Muitos criticam a qualidade principalmente dos primeiros episódios. Qual a sua opinião?

Gustavo Mastorillo – Ninguém é profissional na primeira vez que faz algo que nunca fez antes na vida! Estou errado?

Mario Lee – A primeira temporada, com 12 episódios, está chegando ao fim. O que nos espera na season finale?

Gustavo Mastorillo – O primeiro episódio Duplo, onde irá acontecer o Juízo final que, se tudo der certo, será um capitulo épico, tratado como filme, com pôsteres e trailer.

Mario Lee – Quais são os planos após a primeira temporada?

Gustavo Mastorillo – Fazer a segunda [sorriso] que será mais curta, 6 capítulos, e para fechar fazer o filme “A Carta Selada”.

Mario Lee – Como é ter fãs? Ter pessoas que amam seu trabalho e te apoiam?

Gustavo Mastorillo – É algo que eu adoro, já que sempre quis ser famoso [risos]. Procuro sempre falar com os que vem até mim.

Mario Lee – Você já recebeu algum presente de algum fã por correio?

Gustavo Mastorillo – Não, acho que ainda não sou tão popular assim, e ninguém tem meus endereços então fica difícil [sorriso]. No máximo me falam que vão me pedir autógrafo se me encontrarem.

Mario Lee – Você já chegou a receber alguma oferta de emprego através da série?

Gustavo Mastorillo – Não.

Mario Lee – O que você acha da internet? O que você pode dizer para quem quer fazer websérie?

Gustavo Mastorillo – Desde que não copiem a minha série, sejam felizes, e se tiver vontade de dar vida a uma ideia, vá fundo.

Mario Lee – Quais são os materiais necessários e quanto a pessoa deve desembolsar para uma websérie?

Gustavo Mastorillo – Isso depende da ideia da pessoa. No início da série o meu gasto era o metro para ir para as casas onde filmamos, já hoje temos gastado nos materiais para roupas e objetos novo, não sei direito uma estimativa de gasto. Quem tem criatividade sempre acha uma forma de gastar pouco.

Mario Lee – Acompanho a série a muito tempo e percebo que a cada episódio, tudo vai melhorando, seja o roteiro, as atuações, os efeitos. O que você faz para melhorar cada vez mais?

Gustavo Mastorillo – O fato de eu estar fazendo faculdade de cinema ajudou um pouquinho, mas eu aprendo a cada capitulo, procuramos sempre melhorar o que não ficou 100% no anterior, e nunca paramos de aprender coisas novas, é na pratica que se chega na perfeição.

Mario Lee – Qual foi o episódio mais difícil de ser feito? E o mais fácil?

Gustavo Mastorillo – [resposta junto com a pergunta abaixo]

Mario Lee – Qual foi o episódio mais legal de ser feito? E o mais chato?

Gustavo Mastorillo – Nossa, acho que não teve um mais difícil específico, cada um traz um desafio novo, mas o 7 da carta espelho foi complicado, já o mais fácil acho que foi 2º e o 6º.

Mario Lee – Qual seu episódio preferido?

Gustavo Mastorillo – Sempre é o ultimo que eu fiz. [risos]

Mario Lee – Essa é uma pergunta curiosa: Como você se sentiu ao fazer o primeiro episódio? Quais foram as reações das pessoas? Geralmente as pessoas sentem timidez/vergonha, como você venceu?

Gustavo Mastorillo – Nunca senti vergonha, se não não estaria finalizando uma temporada. A única coisa ruim foi no inicio, quando um pessoal da nossa escola achou o vídeo e espalharam como um vírus, de um dia pro outro todo mundo me conhecia, e tiravam sarro, mas apenas pelas costas, gentinha que nunca tem coragem de falar ou zoar na cara, mas eu e a Shii não ligamos, continuamos a fazer, não estava nem aí pra opinião das pessoas daquele colégio, e como demonstrávamos  não ligar, eles perderam a força e deixaram de incomodar.

Mario Lee – Bate bola, jogo rápido, responda direto ao ponto: Um filme. Um desenho. Uma série. Um livro. Um jogo de videogame. Um jogo de tabuleiro. Uma hq. Um cantor. Uma música.

Gustavo Mastorillo – Titanic. Hora de Aventura. trilogia O Mundo de Tinta. Shadow of the Colossus. WAR. Quarteto Fantástico. Não tenho cantor preferido. Sempre estou gostando de musicas novas, não tenho uma em especial.

Mario Lee – De acordo com algumas pesquisas, Sakura Card Captors é uma das ‘poucas’ obras em que o anime consegue ser melhor que o mangá que deu origem. Você concorda?

Gustavo Mastorillo – Absolutamente.

Mario Lee – O anime ao todo possui 70 episódios, 2 filmes e 4 ovas, sem contar os jogos e tudo mais. Qual é o seu episódio preferido? E o filme? E o ova?

Gustavo Mastorillo – Tenho 3 preferidos: Juízo final, quando a Sakura volta no tempo pra falar com o Clow e a batalha contra o Eriol. Filme amo a Carta selada. Ova não tenho preferido.

Mario Lee – A trilha sonora do anime é fantástica. Quais suas músicas preferidas?

Gustavo Mastorillo – Acho que minhas favoritas são as de batalha, é difícil, amo praticamente todas.

Mario Lee – Para finalizar: Você gostaria de que Sakura Card Captors continuasse?

Gustavo Mastorillo – Desde que a história não seja boba e forçada até gostaria, mas também não me importo de ficar como está, amo e sempre vou amar, nunca me canso de assistir.

Mario Lee – Obrigado pela entrevista. Quer deixar algum recado para os fãs? Deixe seu contato também.

Gustavo Mastorillo – Vejam minha série! [risos] Para me achar no face é fácil, meu nome esta ali do lado. [sorriso] E também além de fazer a série sou um Cosmaker! Veja minhas páginas :
Série – facebook.com/gustavocardcaptor
Cosmaker – facebook.com/g4.cosmaking

~Postagem originalmente publicada no portal Kokyo em 25 de agosto de 2013~

Nenhum comentário:

Sobre Mim

Minha foto
Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brazil
Em 2008 criei um blog por experiência. Queria saber como era um blog. Inicialmente era apenas para reunir o que eu achava de legal pela internet. Dois anos depois, em 2010, criei meu blog com críticas de filmes, já que, embora eu não seja experiente nesse ramo, gosto de ver filmes, de entendê-los e tal. Em 2014 vieram as mudanças. O blog que reunia o melhor da internet virou um blog de matérias e histórias que eu mesmo escrevo. O blog que continha críticas de filmes, séries, curtas, shows, etc, agora são apenas filmes e séries devido a enorme demanda de conteúdo. Os modos de escrita também estão mudando para melhor. Fiquem ligados para novidades.

Este blog tem

Este blog tem: postagens e comentários